A correria em que vivemos, embora mais pausada há já alguns meses, impede-nos de olhar. Muitas vezes de ver, o que está à vista. Talvez, não muito observável. Mas de alguma maneira, escondida no sorriso e na boa disposição com que presenteamos as pessoas que nos são próximas. As da família. As do trabalho. Aquelas que são amigas e que tudo julgam saber sobre nós.

A correria em que vivemos, embora mais pausada há já alguns meses, impede-nos de olhar. Muitas vezes de ver, o que está à vista. Talvez, não muito observável. Mas de alguma maneira, escondida no sorriso e na boa disposição com que presenteamos as pessoas que nos são próximas. As da família. As do trabalho. Aquelas que são amigas e que tudo julgam saber sobre nós...

A correria em que vivemos, embora mais pausada há já alguns meses, impede-nos de olhar. Muitas vezes de ver, o que está à vista. Talvez, não muito observável. Mas de alguma maneira, escondida no sorriso e na boa disposição com que presenteamos as pessoas que nos são próximas. As da família. As do trabalho. Aquelas que são amigas e que tudo julgam saber sobre nós...

Slider
Amor de fim de noite |

Amor de fim de noite |

Trago-te na memória com amor. Como naquela noite em que te tornaste o fim de várias. Inícios de madrugada em que os

Coração de papel |

Coração de papel |

Sobre os beijos que demos às escondidas para que o mundo não descobrisse os jovens loucos e apaixonados que éramos. Não queríamos

Mal-me-quer |

Mal-me-quer |

Sobre ser uma pessoa fria, a história é longa e começa com arrepios na barriga. Começa com um sorriso rasgado na cara

Escrever-te |

Escrever-te |

As madrugadas servem sempre para os poetas rimarem. Para os músicos fazerem refrões. E para eu me lembrar de ti. Já perdi

O café arrefeceu |

O café arrefeceu |

Pediram-me para pensar no que me fazia feliz e eu imaginei-te a sorrir. A olhares pela janela, de manhã, e a dares

Um dia, quem sabe |

Um dia, quem sabe |

Sei que cresci o bastante para ele não me conhecer mais. A altura é provável que seja a mesma, mas a maturidade

Vamos todos morrer |

Vamos todos morrer |

Este texto é dirigido a vários públicos-alvo para não deixar ninguém de fora, já que o coronavírus também não deixa. Portanto, para

Quando chegamos ao limite |

Quando chegamos ao limite |

As noites por aqui têm sido más. Não consigo pregar olho, adormeço de manhã e mesmo assim não sossego como deve ser.

Voltar ao topo
Translate